Capota, mas não breca ...

Nóis capota, mas num breca ...

Essa novela em torno do BRT tira o sono de muita gente em São José dos Campos ...

Enquanto o governo Felicio Ramuth (PSDB) estuda a hipótese de descartar os dois projetos básicos do modal, elaborados na gestão do ex-prefeito Carlinhos Almeida (PT), muita gente do próprio PSDB torce para que a nova administração resolva tirar do armário alguns esqueletos que poderiam assustar a oposição.

Mas o foco do governo é devolver o projeto do BRT aos trilhos, contratando uma nova empresa para desenvolver um terceiro projeto.

Os dois estudos realizados no governo do PT custaram R$ 22,9 milhões.
Segundo reportagem do sempre atento João Paulo Sardinha, publicada no jornal "O Vale", o primeiro, iniciado em 2015, foi desenvolvido pela Fusp (Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo) por R$ 12 milhões. O arquiteto Ruy Ohtake fez o projeto arquitetônico do BRT no município. Em 2016, 
o governo contratou a FAI (Fundação de Apoio Institucional), ligada à UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), para analisar a expansão em 11 quilômetros dos corredores nas regiões leste e sudeste. O valor acertado com a instituição foi R$ 10,9 milhões.

O novo modal de transporte terá financiamento de R$ 800 milhões pela Caixa.
Outros R$ 40 milhões corresponderiam à contrapartida da Prefeitura de São José. O segundo projeto, desenvolvido pela FAI no ano passado, prevê a construção de 62 quilômetros de corredores.
E está nele parte dos esqueletos ...
A dúvida está na contratação da Universidade de São Carlos.
Antes mesmo da licitação chegar ao fim, já existia na UFSCar um grupo de professores escalados para o trabalho. Alguns sem relação alguma com a área. A denúncia, feita à época por servidores municipais, caiu no esquecimento. Nessa onda de desconstrução da imagem de Carlinhos, muita gente quer trazer o tema à baila ...
E segue o circo ...

Capota, mas não breca ... Capota, mas não breca ... Reviewed by blog dois pontos on 11:06 Rating: 5

5 comentários:

  1. Na minha opinião, a troca do projeto do VLT pelo do BRT foi o maior erro da gestão do PT, ainda que logicamente não o único. As verbas já estavam garantidas pelo Governo Federal, mas o Carlinhos optou pelo BRT por julgar que, com o início da construção do VLT na Andrômeda e os transtornos das obras se estendendo até a eleição em 2016, acabaria não sendo reeleito. Afinal, a memória é curta e o povo vota com o estômago, não com o cerébro. Graças à crise da burguesia (já que o resto do povo está em crise permanente há 500 anos) e à consequente farsa do impeachment, acabou não sendo reeleito mesmo assim. E o projeto do VLT, que poderia transformar nossa cidade em um exemplo de uma sociedade que olha para o futuro, ficou só na vontade. Bem-feito para o Carlinhos, que pagou pela falta de coragem. Péssimo para nós - o BRT vai deixar a cidade mais feia, mais poluída, mais barulhenta, mais segregada e com mais violência no trânsito e fora dele. Sem falar que não vai resolver o problema para o qual foi criado - assim como toda nova linha e estação de metrô de São Paulo, o BRT de São José vai ser inaugurado já com demanda saturada e necessidade de expansão. Há milhares de estudos científicos que comprovam o que estou falando. Mas em uma cidade que metade da população aplaude quando um motorista atropela manifestantes a pé, não adianta muito tentar dialogar. Ninguém aqui quer abrir mão do conforto e da segurança de seu carrinho individual, para ser obrigado a conviver com outras pessoas (o horror!) no transporte público. Afinal, pegar busão, bondinho, trem ou ir trabalhar de bike é coisa de pobre ou comunista, coomo aqueles em Leipzig, na Alemanha (que tem a metade da população de São José, mas a malha de VLT mais longa daquele país); Bordeaux, na França; ou Barcelona, na Espanha. Em Santos e no Rio as pessoas já estão aprovando as vantagens do VLT, mas o lobby das montadoras nunca vai deixar a ideia vingar aqui no Vale.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Permita-me oferecer um contraponto, Breno. Mas em termos eleitorais o VLT seria muito mais interessante para o Carlinhos, pois a previsão era de pouco mais de 2 anos de obra, garantindo uma bonita vitrine na eleição do ano passado. Mas não seria responsável, porque o valor disponibilizado à cidade (800 milhões) era suficiente apenas para fazer o Centro da cidade e uma transposição da Dutra, encerrando no Vale Sul (confira neste link o mapa https://goo.gl/s4wGvp). Os cálculos de sustentabilidade do VLT demonstraram que seu avanço para outras regiões não poderiam ser custeadas pela própria operação, nem que se cobrasse uma tarifa enorme, e teria certamente a sina do eterno Metrô de Salvador, que passou décadas praticamente ligando nada a lugar algum. Mudando o modal para BRT, os mesmo 800 milhões de reais permitem alcançar toda a cidade (confira aqui o mapa aproximado, a versão final tem 62km https://goo.gl/LEqV0i). Claro que VLT é mais bonito, mas não integraria a cidade num transporte rápido e eficiente, limitando-se à região Central. No futuro, até que seria legal substituir os trechos centrais do BRT por VLT. Mas aí são outros 500, ou melhor, outros 800 (milhões)

      Excluir
  2. REPUBLICANDO CORRIGIDO: "Permita-me oferecer um contraponto, Breno. Mas em termos eleitorais o VLT seria muito mais interessante para o Carlinhos, pois a previsão era de pouco mais de 2 anos de obra, garantindo uma bonita vitrine na eleição do ano passado. Mas não seria responsável, porque o valor disponibilizado à cidade (R$ 800 milhões) era suficiente apenas para alcançar o Centro da cidade e uma única transposição da Dutra, encerrando o trajeto no Shopping Vale Sul (confira neste link o mapa https://goo.gl/s4wGvp). Os cálculos de sustentabilidade do VLT demonstraram que extensões dos trilhos para outras regiões não poderiam ser custeadas pela própria operação, nem que se cobrasse uma tarifa enorme, e teria certamente a sina do eterno Metrô de Salvador, que passou décadas praticamente ligando nada a lugar algum. Mudando o modal para BRT, os mesmos 800 milhões de reais permitem alcançar toda a cidade (confira aqui o mapa aproximado, a versão final tem 62km https://goo.gl/LEqV0i). Claro que o VLT é mais bonito, mas não integraria a cidade num transporte rápido e eficiente, limitando-se à região Central. No futuro, até que seria legal substituir os trechos centrais do BRT por VLT. Mas aí são outros 500, ou melhor, outros 800 (milhões)"

    ResponderExcluir

  3. esse debate precisa ser cada vez mais aprofundado.
    os dois comentários contêm informações importantes relevantes sobre o tema

    ResponderExcluir

  4. esse debate precisa ser cada vez mais aprofundado.
    os dois comentários contêm informações importantes relevantes sobre o tema

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.