Diálogos impertinentes ...

Um vereador em xeque

O peixe morre pela boca?

Na ação em que pede que o vereador Manino 100% (PTB) perca seu cargo por manter um funcionários comissionado em seu gabinete dando expediente em um negócio particular, o Ministério Público revela diálogos gravados que comprovariam o desvio de função.

Os diálogos são significativos ...

O uso irregular do funcionário Elcio Alves de Souza foi revelado pelo jornal "O Vale". As gravações, transcritas pelo MP na ação, mostram diálogos entre um repórter do jornal com o vereador e funcionários. Souza ganhava R$ 4.383 como assessor parlamentar e foi exonerado após a revelação do caso. A ação é assinada pela promotora Ana Chami.

O caso Maninho desafia a Câmara. A Comissão de Ética da Casa foi acionada uma vez para investigar a denúncia, mas o caso foi arquivado, em um passe de mágica. Agora, a mesma Comissão de Ética analisa nova denúncia contra Manino.

Para ilustrar o debate do caso, o blog dois:pontos vai transcrever os diálogos contidos na denúncia do Ministério Público. Eles colocam o vereador em xeque.
Abaixo, o primeiro deles:



Áudio 1

Repórter: Alô, quem fala?
Resposta: Oi, Joilma.
Repórter: Eu passei na banquinha do Maninho aqui na Vila Industrial. Aí me falaram sobre o anúncio. Queria saber como faz para anunciar? É uma festa que estou fazendo.
Maninho: Alô.
Repórter: Alô, quem fala?
Maninho: É o Maninho. (...)
Repórter: Prazer é meu. É o seguinte: passei na banca do jornal Comunidade. O pessoal falou que o Elcio já tinha ido embora. E é ele que faz anúncio. Queria saber como é que faz?
Maninho: O que você quer anunciar?
Repórter: É uma festa que estou querendo fazer. Aí eu queria saber, como faz, quanto paga.
Maninho: É uma festa que você vai fazer? Que festa você vai fazer, Rodrigo?
Repórter: É uma festa do bairro mesmo. Não do bairro. Da rua, dos amigos.
Maninho: Qual bairro é?
Repórter: Valparaíba.
Maninho: Valparaíba?
Repórter: Isso.
Maninho: Eu não vou te cobrar nada para fazer. Que dia seria a festa?
Repórter: Mês que vem.
Maninho: Qual dia? Porque o jornal. No começo, dependendo da data, dá pra divulgar legal. Por exemplo, se for 5 de abril, o jornal entra em circulação 3 de abril. Aí não dá para divulgar nada. Que dia vai ser seu evento?
Repórter: Dia 15.
Maninho: Dia 15 dá legal. Porque o jornal vai rodar dia 5 de abril. Dá uns dias de divulgação. O jornal fica 30 dias em circulação.
Repórter: Posso passar lá na banquinha. O Elcio vai estar lá?
Maninho: Amanhã, vai estar. Hoje, ele está no Jardim Paulista.
Repórter: Qual o horário dele?
Maninho: O horário dele é das 8h ao meio-dia. Para para almoçar e volta 13h30.
Repórter: Passei e tinha um cara fazendo um trabalho na banca.
Maninho: É um serralheiro, que está colocando nossa placa lá.
Repórter: Ele disse que ele [Elcio] foi na Câmara e acabou de sair. Tinha que voltar.
Maninho: Passa amanhã, Rodrigo.
Repórter: Passo amanhã então.
Maninho: Passa amanhã, deixa o texto, eu divulgo para você.                      

Diálogos impertinentes ... Diálogos impertinentes ... Reviewed by blog dois pontos on 14:44 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.