O tempo e o vento


Quem me conhece sabe que eu leio tudo o que cai na minha mão, de bula de remédio a folheto de missa, de gibi a folheto de propaganda. Em páginas, em tela.

Mas gosto mesmo é de ler jornais e livros.

Jornais eu leio de trás para a frente, hábito que adquiri menino, quando meu pai levava para a casa, na hora do almoço, o antigo “Diário de S. Paulo”. Tinha uma razão: eu era atraído pelos quadrinhos e pelo Esportes, que ficavam nas últimas páginas do jornal. Até hoje nunca começo a ler um jornal pela capa.

Agora, livros são outros 500 ...

Tenho um hábito antigo de ler três livros ao mesmo tempo: um sobre jornalismo, minha área de atuação profissional, outro sobre história (ou biografias) e um terceiro, sempre um romance, uma obra literária. Agora, por exemplo, encasquetei de reler Érico Veríssimo e reencontrei a história de Ana Terra e as aventuras do Capitão Rodrigo, personagens que integram a primeira parte da trilogia de “O Tempo e o Vento”, amigos que conheci ainda na minha adolescência. São romances de formação. Relê-los é reencontrar velhos conhecidos, alguns amigos queridos, outros nem tanto. Uns terceiros, perigosos, tipos nocivos, daqueles que se deve evitar. Outro dia me perguntaram por quê reler livros. "Você esqueceu a história?", era a pergunta complementar. Ora, livros mudam com o tempo, assim como mudamos nós mesmos. Ler um livro aos 15 é diferente de ler a mesma obra aos 40, 50. Detalhes se sobressaem, personagens ganham relevo, sentidos mudam, assim como mudam as frases, as palavras, até os acentos.

Reler é aprender sobre nós mesmos e constatar o quanto mudamos ...
O tempo e o vento O tempo e o vento Reviewed by Helcio Costa on 09:42 Rating: 5

Um comentário:

  1. Quando for ler livros de poesia eu sugiro: Breve Histórias de Estradas e Partidas, Pra não chover nos ombros do meu amor, Amores e outros retalhos e também Salada de Alcachofras... Boa leitura!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.