Ódio


Ódio é uma palavra poderosa. 

Para nosso azar, ela tem sido a palavra-chave da política brasileira nos últimos anos, em especial nesta campanha eleitoral. 
Pior: ela nunca vem sozinha. Ódio vem sempre acompanhado pela violência e pela intolerância, palavras e sentimentos que deixam à beira da ebulição o cenário politico. Palavras pesadas, escritas a partir do abecedário do caos.

É o ABC da crise política.

Nessa cartilha perigosa, o ponto de fervura foi atingido na última quinta-feira, no atentado contra Jair Bolsonaro, candidato a presidente da República pelo PSL, que faz uma  campanha onde o discurso do ódio é sua pedra de toque. A violência é intolerável. A violência usada para calar um adversário politico, seja ele quem for, é inaceitável. Política é a arte do confronto de ideias, do diálogo, do equilíbrio de forças ditado pela sorte nas urnas. Derrota-se um adversário politico no voto. Quando ao diálogo se impõe a estratégia das armas, algo está doente na sociedade. No Brasil, a doença que ataca a sociedade tem diagnostico claro: ódio.

Ao assumir como Norte de campanha o discurso do ódio, Bolsonaro atraiu para si o ódio dos adversários?

É claro que sim, embora isso não justifique qualquer forma de violência, muito menos o atentado sofrido por ele, o capitão, como é tratado por seus correligionários. E, nessa seara, infelizmente, o candidato do PSL, com seu discurso obtuso, não caminha sozinho. O que é o “nós contra eles” de Luiz Inácio Lula da Silva e o PT senão um discurso de ódio, de cisão entre classes, de confronto social? O discurso de ódio é fruto da construção coletiva, de uma sinuca de bico onde chegamos como sociedade, que não se enxerga mais nas estruturas políticas e institucionais que deveriam representa-la. Com seus disparates de metralhar 30 mil esquerdistas, de ensinar crianças a imitar revólver com as mãos, de renegar a história ao dizer que não houve Ditadura Militar no país, Bolsonaro é apenas reflexo do deserto de projetos políticos concretos existentes hoje para o Brasil. E, verdade seja dita, cada um de nós, em maior ou menor grau, somos um pouco responsáveis pelo curto-circuito em que o país se meteu.

O que virá agora?

O pêndulo dessa balança pode oscilar para o radicalismo ou para o diálogo, dependendo das ações imediatas dos atores que ocupam a ribalta política nacional. Que caminho vamos seguir, como Nação? Estamos escrevendo a história à quente. Bolsonaro, ainda na UTI, reedita sua pose-chavão e imita portar uma arma vestido de camisolão azul de hospital e respirador artificial no raiz. Da UTI-palanque à cela-comitê-eleitoral de Lula em Curitiba parece que, teimosos, parece que não aprendemos nada. Tão necessário ao país, o diálogo parece ter sido expulso da ordem do dia. Mas, sem ele, nem Bolsonaro, nem qualquer um outro que for eleito chegará a lugar algum. Nem eles, nem nós. 


Em uma frase recente, o papa Francisco falou que, ao invés de muros, precisamos construir pontes. Essa expressão se ajusta como uma luva ao Brasil atual.



Ódio Ódio Reviewed by blog dois pontos on 09:10 Rating: 5

2 comentários:

  1. Para reflexão: “Na primeira noite eles se aproximam
    e roubam uma flor
    do nosso jardim.
    E não dizemos nada.
    Na segunda noite, já não se escondem:
    pisam as flores,
    matam nosso cão,
    e não dizemos nada.
    Até que um dia,
    o mais frágil deles
    entra sozinho em nossa casa,
    rouba-nos a luz, e,
    conhecendo nosso medo,
    arranca-nos a voz da garganta.
    E já não podemos dizer nada.”

    Esse conhecido poema faz parte do longo poema “No caminho com Maiakóvski” (1968) do brasileiro Eduardo Alves da Costa.

    ResponderExcluir
  2. Eles não! Eles Nunca! Eles jamais!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.